WhatsApp
49 9 9964.1833
Por: Psicóloga Karise Woiciechoski
Visualizações: 341

DEPRESSÃO PÓS-PARTO

28/06/2017

Por ser um momento de significativas mudanças, o nascimento de um bebê é considerado um dos eventos mais propícios ao surgimento de problemas emocionais nos pais. Em relação às mulheres, cerca de 50% a 80% apresentam certa tristeza e irritabilidade nos primeiros dias após o parto, esses duram no máximo 15 dias e desaparecem espontaneamente.

Já a depressão pós-parto, que acomete entre 10 a 15% das mulheres, surge entre a quarta e oitava semana depois do nascimento, as deixando incapacitadas ou com dificuldades de realizar atividades do dia-a-dia. Os sintomas variam, sendo os mais comuns o choro frequente, irritabilidade, sentimento de desamparo, fracasso e desesperança, falta de energia, alteração de alimentação e/ou sono, queixas psicossomáticas, desmotivação, medo de ficar sozinha com o bebê, preocupação excessiva ou desinteresse pelo mesmo.

A origem é multifatorial, envolvendo uma combinação de questões biológicas, obstétricas, sociais e psicológicas. Em relação aos fatores sociais e psicológicos, alguns merecem destaque: o não planejamento da gestação, dificuldades no parto, imprevistos econômicos, impossibilidade de amamentar, dificuldades relacionadas ao trabalho, história prévia de adoecimento psíquico da mãe.

A mulher pode apresentar um conflito em assumir o papel materno, uma vez que o mesmo acarreta mudanças na identidade feminina. As mudanças exigem uma reelaboração de esquemas sobre si mesma e de organização de sua rotina, isso pode desencadear os sintomas depressivos. Além disso, o apoio social que prestado à mulher é importante. Estudos têm mostrado que a ocorrência da depressão pós-parto é maior quando há pouco suporte do parceiro, ou de outras pessoas com quem a mãe tem vínculo.

Se não tratada, a depressão pós-parto pode acarretar dificuldades na vinculação entre a mãe e o bebê. A mãe depressiva é menos solícita em atender as necessidades da criança, menos ligada emocionalmente à mesma, investe menos tempo olhando, tocando e falando com ela, apresenta mais reações negativas do que positivas, tornando-se menos afetiva. Essas alterações comportamentais contínuas são percebidas e afetam o bebê, estando relacionadas à ocorrência de problemas emocionais e de comportamento futuros, e implicando em importantes consequências em seu desenvolvimento.

O impacto da depressão na interação entre mãe e filho vai depender do tempo de permanência dos sintomas, por isso, a importância do diagnóstico precoce e tratamento. Os sintomas geram grande sofrimento para a recente mamãe, além disso, quando não tratados podem evoluir para um quadro crônico da doença.

Apesar de não haver uma forma de evitar a depressão pós-parto, é possível atentar para mulheres que já apresentaram a doença anteriormente, pois isso as torna mais vulneráveis a apresentá-la novamente, é importante que as mesmas realizem acompanhamento psicológico na gestação e no pós-parto. Se os sintomas citados estiverem presentes por um período de no mínino um mês e estejam se intensificando no decorrer dos dias, é fundamental buscar auxílio profissional.

Mais posts do autor
Imprimir
Enviar para um amigo
Assinar

Envie esta notícia para um amigo



Envie esta notícia para um amigo



Comente
este post

Ao efetuar um comentário, o seu IP (Internet Protocol) será gravado e poderá ser utilizado para identificar o usuário que inseriu o mesmo.
Opiniões expressas aqui são de exclusiva responsabilidade do autor do comentário e não necessariamente estão de acordo com os parâmetros editoriais do Tudo Sobre Xanxerê.


Outros comentários

noresults

Caso o comentário acima for abusivo ou seu nome for utilizado indevidamente, denuncie.

O Blog

Psicóloga Karise Woiciechoski
Karise Woiciechoski é psicóloga clínica, especialista em Terapia Cognitivo Comportamental. Telefone e Whatsapp: 9 9959.1120

Opiniões expressas nos blogs e colunas por meio de suas publicações são de exclusiva responsabilidade do autor, não passam por qualquer controle de edição, editoração ou conteúdo e não necessariamente estão de acordo com os parâmetros editoriais do Tudo Sobre Xanxerê.

Blogueiros & Colunistas

Voltar