MAUS HÁBITOS FINANCEIROS - Blogs e Colunas - Tudo Sobre Xanxerê
WhatsApp
49 9 9920.1584
Por: Economia & Negócios
Visualizações: 562

MAUS HÁBITOS FINANCEIROS

Geral - Negócios - 01/11/2019

 

Você nem percebe e o dinheiro acaba quando ainda faltam muitos dias para o próximo pagamento?
É como se costuma brincar e dizer: sobrou muito mês no fim do salário. Onde foi o meu dinheiro?  Pode ser que seja algum mau hábito financeiro que você tem e não percebe!
Hábitos são tendências ou comportamentos, nem sempre conscientes, que causam a repetição de certas atitudes, levando sempre aos mesmos resultados. Assim, se você não mudar seu comportamento, o resultado também não mudará: o dinheiro vai continuar acabando mais cedo do que deveria.


O que fazer então? O primeiro passo é identificar as causas do problema. Vou citar alguns maus hábitos financeiros que podem passar despercebidos e provocar o desequilíbrio das suas contas: Gastar por impulso pode ser uma das causas do sumiço de parte do seu dinheiro. Se você gosta de passear e olhar promoções e liquidações mesmo sem estar precisando de nada, corre o grande risco de compra por impulso. Compra porque está barato, acho ainda pior, pois ficará no guarda roupa o ano todo sem uso ou usado uma ou duas vezes. Gasto este supérfluo, poderia ter passado sem este.


Outro pecado cometido é aceitar o primeiro preço. Os lojistas/vendedores já precificam o produto esperando que o comprador peça desconto. Muitas pessoas não tem o hábito de pechinchar, seja por vergonha ou por falta de costume mesmo. Assim você pagará mais caro. Peça sempre desconto, mesmo que não consiga grande coisa. Afinal, o máximo que pode acontecer é ouvir um não. Parcelar a perder de vista também é um dos males que fazem o dinheiro sumir sem você perceber. Esse é um hábito comum dos brasileiros, dividir a compra no maior número possível de prestações. É vantajoso? Nem sempre! Quanto mais esticado for o prazo de pagamento, mais altos serão os encargos cobrados. Está sempre embutido o no valor. Controle-se, guarde e barganhe no avista.


Usar o cartão de crédito a seu favor. O cartão de crédito pode ser tanto um vilão quanto um aliado poderoso no controle financeiro. Com ele, você tem crédito na mão, na hora que quiser. Basta passar na maquininha e digitar a senha. É aí que mora o perigo, pois é fácil gastar por impulso quando se tem um limite generoso no cartão. Então, é preciso ter juízo e pensar duas vezes antes de fechar uma compra. Por outro lado cartão de crédito é mais seguro, pois não há necessidade de carregar dinheiro vivo, e em caso de roubo ou extravio basta cancelar e imediatamente solicitar um novo.


Se você conseguir controlar e não gastar por impulso que é a grande dificuldade da maioria, o cartão poderia até ser um aliado, mas não tem sido o caso.
Compre menos e compre avista, sempre buscando a pechincha para este pagamento.
Boas e conscientes compras a todos.

 

ALEXANDRE TONINI - Graduado em Economia e com MBA em Gestão de Projetos

Mais posts do autor
Imprimir
Enviar para um amigo
Assinar

Envie esta notícia para um amigo



Comente
este post

Ao efetuar um comentário, o seu IP (Internet Protocol) será gravado e poderá ser utilizado para identificar o usuário que inseriu o mesmo.
Opiniões expressas aqui são de exclusiva responsabilidade do autor do comentário e não necessariamente estão de acordo com os parâmetros editoriais do Tudo Sobre Xanxerê.


Outros comentários

noresults

Caso o comentário acima for abusivo ou seu nome for utilizado indevidamente, denuncie.

O Blog

Economia & Negócios
ALEXANDRE TONINI - Graduado em Economia e com MBA em Gestão de Projetos e Programas. Consultor SEBRAE, Ex-Analista Bancário, com experiência administrativa em setor público e privado.

Opiniões expressas nos blogs e colunas por meio de suas publicações são de exclusiva responsabilidade do autor, não passam por qualquer controle de edição, editoração ou conteúdo e não necessariamente estão de acordo com os parâmetros editoriais do Tudo Sobre Xanxerê.

Blogueiros & Colunistas

Ver todos os posts

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Voltar