WhatsApp
49 9 9964.1833
Publicidade
Comunidade, Cultura, Negócios - 14 Abr 2017 08:48

Hidromel Velho Oeste: a nova marca do Oeste catarinense

Por: Direto da Redação
Visualizações: 3969
Hidromel Velho Oeste: a nova marca do Oeste catarinense Silvio Fiorentin Neto é um dos sócios proprietários da Hidromel Velho Oeste (Foto: Alessandra Villani/Tudo Sobre Xanxerê)

O Hidromel, a bebida alcoólica mais antiga produzida pela humanidade, começou a ficar mais conhecida e se popularizar no Oeste catarinense após a iniciativa de cinco xanxereenses. Silvio Fiorentin Neto, Breno Luiz Fiorentin, Mauricio Gehlen, Eduardo Dalmagro e Jaferson Frizzo são os sócios proprietários da primeira hidromelaria catarinense. A bebida, uma mistura de mel, água e levedura, basicamente, era tradicional em todo o mundo na antiguidade.

Ao contrário do que se conhece, Silvio Fiorentin Neto explica que o hidromel não é uma bebida viking, mas sim mundial. A fama da bebida ser típica desse povo se dá pelo fato de ter continuado a produção de hidromel e também porque hoje a bebida é mais consumida tradicionalmente nos países nórdicos, por conta do frio.

- O hidromel não é só a bebida mais antiga, é uma bebida mundialmente consumida que é antiga, é a primeira bebida a se espalhar pelo mundo com um certo padrão. Hoje, o Hidromel não é uma bebida mundial, poucos locais ainda consomem, porque é muito mais fácil você produzir vinho e cerveja em grande escala. Quando a população começa a crescer, a demanda aumenta. Por isso hoje associamos mais o hidromel aos países nórdicos, porque lá é muito frio, não nasce uva e o trigo e a cevada são escassos. Por isso associamos com os vikings, mas não é uma bebida viking. E, no Oriente também é bastante consumido. Hoje, no mundo, o maior consumidor de hidromel é a China – explica.


O projeto
Em Xanxerê, o projeto da hidromelaria começou a sair do papel no início de 2015 para se tornar uma realidade concreta em novembro de 2016. Silvio conta que ele teve seu primeiro contato com a bebida em São Paulo, onde estudava. Um colega do time de rugby produzia a bebida artesanalmente. Por conta de uma confraternização que os colegas de time organizaram, Silvio aprendeu a produzir a bebida. A partir disso, quando voltou para Xanxerê, começou a produzi-la em casa. Quando a comercialização do hidromel começou, primeiramente só para amigos e conhecidos, porém a produção começou a aumentar gradativamente e a ideia de tornar isso um negócio rentável começou a toma forma.

- Eu liguei para o meu irmão e mais um amigo e propus a ideia de fazermos hidromel. Conversei com eles, meu irmão comprou o mel aqui e quando eu cheguei nós fizemos o hidromel e foi um sucesso. Embalamos um pouco, vendemos uma parte e com o dinheiro compramos mais matéria prima e foi indo, produzíamos, vendíamos e fomos aumentando. No início não tínhamos a ideia de tornar isso uma indústria. Nós queríamos fazer a bebida para o pessoal conhecer, mas a procura foi aumentando e a produção também. Começamos a produção com 20 litros e, em um ano e meio, a produção já estava em cerca de 600 litros por ano – lembra.


Vendas
A primeira produção de hidromel da fábrica foi feita em maio de 2016. Entretanto, por conta do tempo de fermentação da bebida, a inauguração aconteceu só em novembro, já com o início da comercialização. A partir daí, as vendas e a procura aumentam a cada mês. Silvio destaca que hoje o hidromel já pode ser encontrado em quase todo o Oeste catarinense e algumas cidades do Litoral.

- Nós queremos popularizar o hidromel, queremos expandir e estamos conseguindo. Já tem hidromel em quase todo o Oeste catarinense. Fizemos o trabalho de bar e mercado, para o pessoal que experimenta no bar, gosta e pode encontrar no mercado. Estamos negociando e queremos expandir o hidromel por toda Santa Catarina. Florianópolis, Joinville e Blumenau também já têm venda – conta.


Contexto histórico
Silvio explica que o hidromel também era produzido e consumido pelos índios Kaingang que ocupavam as terras do Oeste. Ele lembra que esse foi mais um dos motivos que o levou a produzir a bebida.

- Fizemos hidromel aqui porque ele é uma bebida Kaingang. Os índios tomavam kiki, que é o mesmo hidromel. Ele faz parte do ritual do kiki, que o ritual religioso mais importante dessa tribo. Por isso nos empenhamos em fazer essa bebida aqui, porque já temos uma ligação cultural com ela – frisa.


O hidromel como característica da região
Após o funcionamento efetivo da fábrica e as vendas aumentando, Silvio comenta que a intenção é fazer com que o hidromel se torne a bebida que marca o Oeste catarinense. Tanto que, o hidromel produzido na Campina da Cascavel leva o nome de Hidromel Velho Oeste.

- Gostamos de pensar no hidromel como uma característica singular da nossa região. Somos a primeira hidromelaria de Santa Catarina e é uma bebida única, ninguém mais produz. O hidromel vem com a proposta de ser uma bebida característica da nossa região, não só porque ninguém mais produz, mas também porque o povo que morava aqui já fazia hidromel. Temos uma ligação histórica e cultural com essa bebida – destaca.

Para divulgar cada vez mais a bebida, os sócios organizam um evento para o dia 30 de abril. No domingo à tarde, véspera de feriado, na qual a hidromelaria estará com as portas abertas para receber os interessados em conhecer a bebida e também aqueles que já apreciam o hidromel.  A Hidromelaria está localizada na Rua Emilio Alet 443, Sala nº 2, no Bairro Veneza.

Reportagem de Alessandra Villani


Imprimir
Enviar para um amigo
Assinar

Envie esta notícia para um amigo



Comente
esta notícia

Ao efetuar um comentário, o seu IP (Internet Protocol) será gravado e poderá ser utilizado para identificar o usuário que inseriu o mesmo.
Opiniões expressas aqui são de exclusiva responsabilidade do autor do comentário e não necessariamente estão de acordo com os parâmetros editoriais do Tudo Sobre Xanxerê.


Outros comentários

noresults

Caso o comentário acima for abusivo ou seu nome for utilizado indevidamente, denuncie.

Notícias por data:

a
Voltar