WhatsApp
49 9 9964.1833
Publicidade
Opinião - 02 Set 2017 10:09

Suicídio: Falar é a melhor solução

Por: Alessandra Villani
Visualizações: 631

Setembro Amarelo é uma campanha de conscientização sobre a prevenção do suicídio, com o objetivo direto de alertar a população a respeito da realidade do suicídio no Brasil e no mundo e suas formas de prevenção. Ocorre no mês de setembro, desde 2014, por meio de identificação de locais públicos e particulares com a cor amarela e ampla divulgação de informações.

Conceitos equivocados pairam sobre o tema, e acabam impossibilitando por vezes o encaminhamento para atendimento especializado das pessoas que planejam ou tentam suicídio, que vem no ato, muitas vezes a única forma de lidar com tamanha dor emocional.
Entre outras, seguem algumas das ideias equivocadas em relação ao suicídio:

– “Se eu perguntar sobre suicídio, poderei induzir a pessoa a isso.”
Na realidade questionar sobre ideias de suicídio, fazendo-o de modo sensato, faz com que a pessoa se sinta acolhida, por alguém que se interessa pela extensão de seu sofrimento.

– “Ela está ameaçando o suicídio apenas para manipular ou chamar atenção”.
Estudos apontam que uma parcela significativa das pessoas que se mata, ou que tentam fazê-lo, geralmente declara sua intenção de suicídio para amigos, familiares ou médicos na tentativa de pedir ajuda.

– “Quem quer se matar, mata-se mesmo”.
Essa ideia pode conduzir a um descuido com os aspectos do desamparo, da depressão e de desesperança que a pessoa está sentindo. Na maioria das vezes, ela está querendo acabar com um sofrimento muito grande e no momento, não consegue perceber outra maneira para além de suicidar-se.

– “Veja se da próxima vez você se mata mesmo!”.
O comportamento suicida, infelizmente, exerce um impacto emocional sobre a sociedade. Provoca sentimentos de hostilidade e rejeição. Ter esse tipo de atitude mediante quem tentou cometer suicídio pode impedir de auxilia-lo a perceber outras formas de lidar com a situação.

– “Quem se mata é bem diferente de quem apenas tenta”.
Diversos estudos epidemiológicos demonstram que, vistas em conjunto, as pessoas que tentam o suicídio apresentam características diferentes daqueles que chegam a um desenlace fatal. No entanto, esses achados não devem funcionar como álibi para a pouca atenção dispensada aos que tentam o suicídio, mas não morrem.
Querer ficar isolado, tristeza profunda, ideias de inutilidade e culpa, visões desoladas do futuro, comentários de que seria melhor morrer, dentre outros, indicam que a pessoa está precisando de avaliação e acompanhamento de profissionais da área da saúde mental, que poderão avaliar se há indícios de ideação suicida e orientar o tratamento adequado ao caso.


Danieli Cristina Bonetti Marció
Atendimento de Crianças, Adolescentes, Adultos e Idosos (Psicoterapia de Orientação Psicanalítica).
Avaliação Psicológica
Edifício São Lucas. Rua Coronel Santos Marinho, 190, centro. Sala 304. Xanxerê-SC
Planos de Saúde: AGEMED – GEAP – FUPS – BRADESCO – MEDIASERVICE


Imprimir
Enviar para um amigo
Assinar

Envie esta notícia para um amigo



Comente
esta notícia

Ao efetuar um comentário, o seu IP (Internet Protocol) será gravado e poderá ser utilizado para identificar o usuário que inseriu o mesmo.
Opiniões expressas aqui são de exclusiva responsabilidade do autor do comentário e não necessariamente estão de acordo com os parâmetros editoriais do Tudo Sobre Xanxerê.


Outros comentários

noresults

Caso o comentário acima for abusivo ou seu nome for utilizado indevidamente, denuncie.

Notícias por data:

a
Voltar